segunda-feira, 9 de maio de 2016

Fantástico mundo da mentira

Há um mundo, por aí, onde todos esbanjam felicidade. Não importam as notícias da cidade, do país, ou até mesmo, os acontecimentos com as pessoas próximas: tem gente que está sempre sorrindo, um riso cansado - de fato - e cansativo - mais ainda. Vivem para exibir a todos um domínio sobre o mundo: os trabalhos não são maçantes, a vida é uma festa, sem hora para acabar. Não cansam de exposição, porém, o que mora dentro, escondido, de cada um desses seres nunca aparece.

São eles que fingem desconhecer a agressão, a decepção, os vícios, a dor: todos que criam um mundo de fantasia, cansativo de olhar e impossível de encarar como algo real. Isso tudo é angustiante: uma incapacidade de aceitar os problemas, os desencontros, as diferenças. E nunca - jamais - nenhum esforço para tornar a sociedade mais justa, afinal, pra quê? Se eles estão sempre com um sorriso colado que mal cabe no rosto?

Pois não suporto olhar mais ninguém assim. Busco aqueles que têm coragem de se abrir, colocar pra fora todos os descaminhos da vida. As pessoas que, por mais dificuldades tenham encontrado, permanecem encarando uma rotina de solidão, ao invés de se contentar com a primeira pessoa carente e disponível para estar ao seu lado. Os outros que choram, lamentam, confessam as dores e lutam para encontrar um caminho doce. Aqueles que se importam com a tristeza dos outros, se enxergam em uma comunidade e, desta forma, vivem, olhando para a frente, sim, mas sem ignorar todos os lados.